Keblinger

Keblinger

Você tem Criatividade?

30 abril 2010
Para ser um profissional diferenciado, ter um negócio diferenciado ou viver plenamente aquilo que está fazendo, um requisito básico é ser criativo. Quem cria vê a vida de uma forma diferente. Vê as oportunidades que se abrem atrás de cada situação e sempre têm mais possibilidades de alcançar seus objetivos. Os resultados não são os mesmos se o caminho percorrido é criativo, o final é sempre diferente e o ganho, em todos os aspectos é muito maior. Ser criativo é ver um pouco de sim no não, um pouco de sempre no nunca e um pouco de tudo em nada.

A capacidade criativa é uma característica que toda, vou repetir, toda pessoa têm, é um dom natural do ser humano, então; por que algumas pessoas parecem ser mais criativas que outras, por que alguns se consideram sem criatividade enquanto admiram a criatividade dos outros.

A partir do nosso nascimento, começa um processo gradativo de inibição da nossa criatividade natural. Primeiro em casa, depois na escola, no trabalho e no dia-a-dia. Somos condicionados a sempre andar em terreno já conhecido, seguir a tradição e não sacudir muito o barco. Este processo serve para que nós possamos viver na sociedade, com suas verdades, regras, parâmetros e costumes, porém, tem um efeito colateral, bloqueia nossa curiosidade natural, impede de usarmos nossa imaginação e anula nossa engenhosidade para trabalhar novos desafios.

Das inúmeras pesquisas sobre comportamento criativo vou destcar a feita pelos pesquisadores George Land e Beth Jarman (Breakpoint and Beyond: Mastering the Future Today -1992). Eles realizaram uma interessante pesquisa sobre comportamento criativo com um grupo de 1.600 jovens nos EUA. O estudo usou testes aplicados pela NASA para selecionar cientistas e engenheiros inovadores. No primeiro teste as crianças tinham 5 anos, as mesmas crianças foram testas uma 2ª vez aos 10 anos e uma 3ª vez aos 15 anos. Além do acompanhamento destas 1600 crianças os pesquisadores fizeram um 4º teste, só que agora com aproximadamente 200.000 pessoas na faixa de 25 anos, os resultados foram:

Os pesquisadores concluíram que, aprendemos a ser não-criativos. A queda na criatividade, não tem relação com a idade e sim com os bloqueios mentais criados ao longo de nossa vida. A família, a escola e as empresas são eficazes em inibir o pensamento criativo. Por outro lado, as pesquisas e a prática mostram que este processo pode ser revertido; podemos recuperar boa parte de nossas habilidades criativas, podemos impedir a continuidade dos bloqueios. COMO? Abandonando a nossa zona de conforto, vencendo o medo do erro, ousando ser diferente e pulando fora da caixa que vivemos. Só assim, poderemos impactar nossos resultados pessoais, profissionais ou do nosso negócio.

Por falar em impactar os resultados, sabe aquelas campanhas sobre AIDS, que objetivam criar uma mentalidade de prevenção, principalmente nos jovens, o impacto nos resultados (fazer as pessoas usarem camisinha para se prevenir) vai depender da criatividade. Qual das duas campanhas abaixo vai provocar mais impacto e ter melhores resultados? Faça sua análise sem medo ou preconceito. Pense diferente.




0 comentários:

 

RESISTÊNCIA A MUDANÇAS - O FOGO.

RESISTÊNCIA A MUDANÇAS - A RODA.

CONVERSAR ON-LINE

RESISTÊNCIA A MUDANÇAS - O 1º PASSO É SEU.

RECEBA BOX H NO SEU E-MAIL.

Copyright 2008-2012 © HOME I Homero Fischer All Rights Reserved • Design by Dzignine